As armadilhas dos planos de saúde

Quem tem plano de saúde sabe que, quando mais precisa dele, menos as coisas são fáceis e tranquilas. Para falar sobre o direito dos clientes, os advogados Gilberto Greiber e Alan Skorkowski estiveram na Sede. Uma das principais dúvidas foi sobre o aumento da mensalidade. Outro ponto questionado, e menos conhecido, foi o do descredenciamento de hospitais, só permitido se o plano colocar um equivalente no lugar. Os advogados também esclareceram que qualquer prótese ou marca-passo que o paciente precisar tem que ser do modelo pedido pelo médico, e não o mais barato, normalmente sugerido pelo plano. E citaram a jurisprudência que garante esse direito: “Somente ao médico que acompanha o caso é dado estabelecer qual o tratamento adequado para alcançar a cura ou amenizar os efeitos da enfermidade que acomete o paciente: a seguradora não está habilitada, tampouco autorizada, a limitar as alternativas possíveis para o restabelecimento da saúde do segurado, sob pena de colocar em risco a vida do consumidor”.

Muitas outras dúvidas foram sanadas pelos advogados, que deixaram as chaverot mais seguras na hora de exigir seus direitos.