Eles salvaram milhares de judeus

Joy Sztejnhauer relatou, na Sede, a emocionante história de como seu pai Jacob e o diplomata japonês Chiune Sugihara salvaram seis mil judeus da Lituânia durante a II Guerra Mundial. “Sugihara é reconhecido pelo Yad Vashem (Museu do Holocausto de Israel) como a segunda pessoa que mais salvou judeus da morte durante o Holocausto”, contou Sztejnhauer.

Mesmo contrariando o governo japonês, ele emitiu vistos de passagem para que judeus saíssem de Vilna, na Lituânia, fossem para o Japão, e de lá fugissem para o Caribe. Sugihara foi demitido do cargo pelo governo japonês após a guerra e foi reconhecido, apenas alguns anos depois, como herói em seu país. E condecorado em 1985, ainda em vida, pelo governo de Israel, entre os justos da nação.

Jacob Sztejnhauer não conhecia Sugihara pessoalmente. Na época, ele era um dos que davam a aprovação para a travessia pela ferrovia Transiberiana, que levava passageiros até os navios no Mar do Japão. Assim, o diplomata japonês concedia os vistos, e Jacob os colocava no trem. “Sem os vistos de Sugihara, meu pai não poderia ter feito nada, assim como se meu pai não tivesse embarcado os judeus no trem, os vistos de nada adiantariam”, contou Joy.

Depois de ajudar a salvar muitos judeus, Jacob Sztejnhauer, sua esposa e seu irmão ficaram em Vilna, que foi ocupada pelos alemães. “Dos 120 mil judeus da cidade, apenas dois mil sobreviveram, e meus pais e meu tio escaparam milagrosamente, pois ficaram escondidos no porão de uma ex-empregada durante 13 meses.”

Joy só ficou sabendo dessa história quando tinha 37 anos, pois seu pai não era de se vangloriar pelo bem que fez a tantas pessoas. Ao contar esse relato, emocionou a todos os presentes!