Em breve, o Museu Judaico de São Paulo

Roberta Sundfeld, Juliana Portenoy Schlesinger  e Ruth Tarasantchi, do Museu Judaico de São Paulo, apresentaram na Sede como está o acervo e a estrutura dessa importante instituição, a ser inaugurada em breve. Elas também trouxeram alguns objetos que estarão expostos no museu para mostrar às voluntárias.

Além de curadora, Roberta, é uma das diretoras do museu e discorreu sobre a estrutura do prédio e mostrou em um vídeo o processo de construção da impressionante parede de vidro, que dá para a Avenida Nove de Julho. “Quisemos mostrar que a antiga sinagoga agora está se abrindo para a cidade e que todos serão bem-vindos ali”, explicou.

A antropóloga Juliana explicou que o núcleo expositivo da chegada dos judeus ao Brasil irá relatar a história a partir da vinda dos portugueses, nas caravelas. “Desde então, os imigrantes trouxeram cheiros, paladares, idiomas, canções, objetos – não necessariamente de cunho religioso – e tudo isso a gente vai tentar retratar no museu.”

Ruth, curadora, mostrou alguns objetos, como um cobertor, bem fininho, de sua própria família, que sua mãe trouxe para o Brasil e que tem mais de 80 anos. “Isso é um exemplo de que, se alguém tiver algo para doar, não precisa ser uma coisa valiosa, mas basta que tenha uma história válida por trás”, explicou. Um dos objetos mais impressionante era uma taça de prata, usada por um imigrante que estava na “Noite dos Cristais”. A taça possui um furo, causado pelo tiro de uma baioneta.

Ao final, as pesquisadoras responderam várias dúvidas da plateia.