Tudo o que é preciso saber sobre o câncer de mama

O diretor do Hospital Hadassah, em Israel, Asher Salmon, é um dos maiores especialistas em câncer de mama no mundo. Em palestra na WIZO-SP, falou sobre a prevenção e novas técnicas de tratamento da doença. Acompanhado de Jorge Diener e Ethel Fainstein, diretor de Projetos Especiais e diretora da América Latina do Hadassah, o médico respondeu às dúvidas de todos seus ouvintes.

Salmon falou da abrangência dos casos hoje. Nos Estados Unidos, por exemplo, são 200 mil por ano, sendo que 50 mil morrem por causa da doença. E destacou que “são mulheres com média de idade de 58 anos, mutação nos genes BRCA1 e BRCA2, mais o histórico familiar, que estão dentro do grupo de risco”.  Os homens também podem desenvolver, mas têm cem vezes menos chance.

Quanto aos fatores comportamentais e externos que podem influenciar para o surgimento do tumor, ele destacou: não fazer exercício físico, não ter amamentado durante a vida, fazer reposição hormonal por mais de cinco anos e tomar bebidas alcoólicas. “As pessoas que tiveram câncer de mama também tem mais chance de desenvolver novamente a doença do que aquelas que nunca tiveram”, explicou. Segundo Salmon, pessoas caucasianas são mais propensas ao tumor do que afrodescendentes ou orientais.

Dentre os novos tratamentos, ele destacou a Terapia Molecular Dirigida, desenvolvida  no Hadassah, que tem prolongado a vida mesmo de pacientes que apresentam metástase. Para Salmon, a importância de se fazer exames preventivos, como a mamografia e ressonância magnética é fundamental, pois, se tratada no começo, a chance de cura da doença é quase certa. “Quem está nos grupos de risco deve fazer esses exames até duas vezes por ano”, recomendou.